Deuses de Kiratsu

História

E o Tempo despertou. E com ele, todos os Nove Deuses começaram a acordar, um de cada vez. Sentaram-se em roda no meio do Universo, onde havia tudo e nada, o etéreo e o sólido no meio do oblivion em completa desordem. E ninguém, exceto o Tempo, sabia o que fazer com aquilo. Disseram “Aqui estamos, ó Cronway-Färer, mestre do tempo e do Destino. O que governas despertou e agora podemos servi-lo. Diga-nos, o que devemos fazer com esta completa desordem?”.
O Tempo disse-lhes: “Então, acordados, damos início à nossa vigília. Cada um de nós tem uma missão a cumprir, e essas são as que vos darei”. Deu-lhes nomes e missões “Giddl-on, és o mais velho, e com teu poder farás tudo que é sólido e governarás o material e natural.” E Giddl-on pegou o que era sólido e fez todo o mundo material.
Disse ao Segundo “Elhero, será o artífice, o mestre dos trabalhos e ofícios, e cuidarás de tudo que for tirado do material para ser transformado em beleza, bem como todas as criações. Tu forjarás do etéreo as almas, enquanto que teu irmão criará o que irá comportá-las, doravante chamado de corpo” E Elhero pegou as chamas do etéreo e as consolidou. Ali fez o seu estoque quase infinito e pôs-se a trabalhar, e criou almas.
Então olhou para o Terceiro, radiante e ansioso com o que iria fazer. Cronway lhe disse “A ti, Sethron, caberá a tarefa de unir os dois trabalhos de teus irmãos e incluí-las no seio do mundo, depois, nos de suas criaturas, doravante chamados de mortais. Ademais, para semear e vigiar tua obra, caminharás com seu tenro brilho do amanhecer ao entardecer pelos céus” E Sethron, feliz, foi até Elhero, pegou as almas, embalou-as com os panos de corpo que Giddl-on fabricara e com elas fez sementes, as quais ele jogou na terra e fez as primeiras criaturas.
Porém elas eram quase todas diferentes entre si. E o Tempo disse “Liebin” e chamou o Quarto Deus dos Nove. “Vê estas criaturas tão diferentes? Teu trabalho será juntá-las sempre aos pares, e assim, quando de fato se unirem pelo amor que tu pores em seus corações, se saberá quando os seus irmãos mais velhos deverão trabalhar”. E Liebin então sorriu e disse “elas não são diferentes, são mulheres e homens de vários tipos de criatura.” E tratou de juntá-los, pondo o dito amor em seus corações.
“Angélia” o Tempo disse ao Quinto “A ti será dado o trabalho de pôr à cabeça das criaturas a ligação entre o material e o universo no oblivion, e a capacidade de saber mudar o que está em sua volta. A isso darás o nome de Inteligência, e colocarás tudo que todos inventarem em livros, guardados em um único lugar.” Angélia então disse “Colocarei não no Oblivion, mas ao alcance de todas as criaturas” E assim ela foi ao mundo material e lá criou a sua Biblioteca.
E se aproximou dos Deuses mais Jovens. Jekya, o Sexto, se adiantou “E eu, Senhor Tempo?” Cronway olhou para ele e riu “Tu, o mais travesso de todos. O seu trabalho será o de fazer todas as criaturas comunicarem-se entre si, aproveitando todas as oportunidades que lhe convém. Seu maior trabalho, porém, é criar as escolhas, da qual delas as criaturas terão o poder de mudar a si mesmas, ou a de seu próprio ambiente que as rodeia. Algumas vezes isto criará confusão, mas não se importe, pois o mundo veio do caos, e ao caos uma parte deverá voltar.” E Jekya sorriu malicioso, e foi ver os irmãos mais velhos trabalhando.
Do Sétimo, se aproximou. “Luchë, minha doce criança” e mostrou-lhe o mundo material “A ti dou-lhe a tarefa de olhar por todos os oprimidos e desolados, dando-lhes a alegria. Quase ninguém olhará por ti quando estiveres presente, porém na tua ausência todos sentirão tua falta. Encarregarei-te do que chamarão de Liberdade, e serás reconhecida quando passares por todos, e todos lhe sentirão”. Luchë, a mais inocente e alegre dos Nove, criou asas brancas e voou pelo mundo, e o vento se fez presente.
O Oitavo se aproximou e perguntou “Senhor Tempo, vejo que tudo começou como deve ser, mas… não acha que falta algo?” Cronway-Färer olhara para ela e disse-lhe “Como não, Querida Temúria? É evidente que falta uma das maiores responsabilidades dos Deuses, e esta tarefa dedicarei a ti.” O tempo pegou uma árvore jovem, um pedaço de pedra negra e Elhero deu forma à uma foice, e deu-a ao Deus. “Isto, Temúria, é o que usarás para escolher e julgar dentre os mortais que findaram seus dias, e seu trabalho será separar a alma de seu corpo, e entregá-los aos seus verdadeiros donos, seus dois irmãos mais velhos, para serem refeitos.” E deu também uma advertência “No entanto, àquelas que merecerem ficar mais um pouco, você as levará para Sethron, para dar-lhe um novo corpo e assim fazer a alma continuar sua tarefa no mundo”. E Temúria, diante de tudo, gargalhou mais alto “Serei então a que destruirá os labores de todos os meus irmãos? Que ironia!” E assim guardou a foice e retirou-se para seu trabalho.
Então, Cronway-Färer olhou para todos e sorriu. Até que notou que sobrara o Nono. Este estava sentado, olhando o trabalho magnífico que os seus irmãos estavam fazendo. O Tempo então o chamou, pedindo para falar-lhe em particular.
“Lichter” começou “És o último, então peço que preste atenção na tarefa que lhe darei, e esta será a mais árdua de todas”. Lichter então virou as costas para todos os outros e passou a olhar o Tempo fixamente. Este prosseguiu “Tu, jovem Deus, Terás o poder de todo o meu conhecimento, e tudo que planejo fazer com os trabalhos de seus irmãos. Porém, em circunstância alguma deverás contar a eles, este segredo deverá ser só nosso…”.
“Mas Senhor Tempo, por que diz tudo isto apenas para mim?” Lichter interrompeu “Sou de alguma forma melhor que eles?”…
“Não Lichter. Na verdade lhe digo isto, pois seu trabalho é outro, diferente dos demais. Tu serás o observador dos Deuses, e tudo aquilo que achar impróprio para o conhecimento dos mortais deverá guardá-lo para si, para protegê-los da destruição. Seus irmãos não o compreenderão, mas eles saberão futuramente de que sempre esteve agindo por ordens minhas. E também será o dono de tudo aquilo que não for natural de seus irmãos, ou seja, aquilo que não tem alma, ou corpo, ou luz, ou qualquer uma das coisas que seus irmãos governam.”
Enfim pegou o livro que sempre esteve consigo “Estas são as leis que vos deixo, junte os seus irmãos e leia-as na frente de todos eles. E lembre-se, não os responda a nenhuma pergunta sobre o Meu Propósito.” E Lichter olhou para os irmãos, juntando-se a todos eles, já encurvado pelo peso de sua responsabilidade.
E vendo que terminou de dar-lhes as tarefas, pegou partes do Oblivion e transformou-as em incontáveis pequenas sombras brilhantes e bem contraditórias. Assim que eles tomaram forma, Cronway-Färer disse-lhes:
“Vocês, pequenos Andarilhos, têm uma única missão. A de acompanhar o trabalho de todos os Deuses e escrevê-las em seus Tomos, e assim que terminarem um deles, deve ser guardado na biblioteca de Angélia e arranjar outro Tomo para começar.” Olhou para os Deuses em seus trabalhos e completou “Cuidem de meus pupilos na minha ausência, pois daqui eu partirei, marcando o início de todas as tarefas. Por isso, quero tudo escrito quando eu voltar, para que eu saiba de tudo de maravilhoso que fizeram” e dando um sorriso paternal, o Tempo começou a andar.

Sobre os Deuses:

- Cronway-Färer
- Giddl-on
- Elhero
- Sethron
- Liebin
- Angélia
- Jekya
- Luchë
- Temúria
- Lichter

Deuses de Kiratsu

Kiratsu AnerolSevla